O barbante Laranja

Os pulsos abertos, como um par de rosas em chama, jorravam um mar vermelho sobre o tapete. Miriam olhou para as mãos, e perguntou se aquilo realmente valia à pena. Um pingo de sangue caiu sobre sua testa. Sentiu o líquido ir secando sobre sua pele, e depois, uma casca de sangue seco. Uma energia saiu de dentro de sua alma; era um emaranhado de pontos coloridos saindo paulatinamente do seu peito, e depois tomaram a forma de um barbante laranja. Este fio teve como saída a testa de Miriam, diretamente onde o pingo de sangue havia caído. O fio laranja saíra do corpo da mulher e flutuou sobre o teto. Ela pôde contemplar sua energia brilhando, suas mãos latejando ao compasso da luz cintilante.
Ela não podia sentir seus braços, as mãos latejavam terrivelmente, mas, saindo junto com sua áurea, um estranho sentimento de dor misturado com prazer. Conforme isso acontecia, diversas imagens passavam aos seus olhos: fatos da vida, erros cometidos, acertos, alegrias. Neste momento ela se pôs a fazer centenas de perguntas a si mesma.
A passagem de fotos e fatos continuou, e por um instante sentiu algo frio sobre seus olhos. Ergueu as mãos com sofreguidão e tocou sua própria face, notando que chorava. Sua vida estava acabando, podia ouvir os sinos tocarem e uma luz cobrir seu corpo inerte. De repente sentiu uma mão tépida tocar delicadamente seu pescoço.
A mão estava acariciando sua face quando ouviu alguém chamar seu nome. Abriu os olhos, avistando ali, pintado de amarelo com a luz do sol, o rosto do seu filho. O menino chamou-a novamente, Miriam ergueu-se rapidamente e abraçou o filho. Ela então tirou de baixo dos travesseiros um par de lâminas de barbear, jogando os objetos pela janela. Olhou para os próprios pulsos alvos como neve. Voltou a abraçar o menino, e, sussurrando, disse a si mesma “Não vale a pena. Eu ainda tenho o barbante laranja dentro de mim”.

4 comentários:

Alê disse...

Grande lição de vida!!!

Adorei!!!

Beijos

Alê

P.S.: Tento desesperadamente encontrar esse barbante em mim.

Valentim Coelho disse...

olá,
obrigado pela passagem pelo meu blog.
eu também passarei por aqui algum tempo.
Cumprimentos

Maria disse...

Meu bonito, alívio! Já estava angustiada, quando o barbante laranja me trouxe de volta.

Agora, me permita coisas bonitas. Das pequenas que nos restam. Obrigada por sua presença em meu espaço. Por suas palavras, por compartilhar tanta vida inteligente por aqui. Sou fã. (O layout ficou ótimo. Seu perfil, sem comentários, lindo!) Tá tudo tão bonito por aqui... que seja assim nestes novos dias. Te quero um bem.

Meu beijo

Zé Sérgio disse...

Muito bom! E não me refiro somente ao conteúdo, mas também à forma, vecê escreve muito bem, tem uma técnica apurada, o que é raro no mundo blogueiro.

Abraço!