Homem



homem,
nesta força
e nestes músculos,
montanhas,
mármore e prata,
desata os nós
dos panos,
e com encanto
me abriga
na castanheira
dos teus cabelos




e mordo,
assim, sem medo,
os teus pelos,
o teu peito,
e adentra em mim
esse vulcão -
a erupção
se torna branca
e tão branda
no céu da minha boca.






(27/07/2010)

Um comentário:

A Noiva Cadáver disse...

Que delicia de poema meu bem.